Relíquias

Não importava o por que...
Mas eles ainda se usavam...
Quando ela se fazia pagina em branco...
Ele a perpetuava com seus versos em letras de forma furiosos...
E quando ele se fazia paginas em branco...
Ela pregava fotografias no seu album de desejos...
Quando ela se fazia musica...
Ele pisoteava suas partituras com seu sapateado ciumento...
E quando ele fazia musica...
Ela sapateava enlaçada no par das suas lembranças...
E quando que ela se calava...
Ele inundava os espaços com gemidos raivosos rasgando e emendando sua fotografia...
E quando ele se calava...
Ela rasgava o silencio estalando na própria pele o chicote da saudade...
Se desejavam jurando nunca mais se tocarem...
[re]toques com cheiro doce e sabor de fel...
E nessa pirraça simbiótica sibilavam um frustrado amor...
Em verso e prosa...
Rasgadas e costuradas...
Relíquias de um amor sem fim...

V.Cruz

leiam mais sobre V.Cruz

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=200548

 



- Postado por: Isabel às 22h08
[ ] [ envie esta mensagem ]





VISÃO DE ADULTO... VISÃO DE CRIANÇA...  

Éramos a única família no restaurante com uma criança.
Eu coloquei Daniel numa cadeira para crianças e notei que todos estavam tranqüilos,  comendo e conversando.
De repente, Daniel gritou animado, dizendo: 'Olá, amigo!', batendo na mesa com suas mãozinhas gordas.
Seus olhos estavam bem abertos pela admiração e sua boca  mostrava a falta de dentes.
Com muita satisfação, ele ria, se retorcendo.
Eu olhei em Volta e vi a razão de seu contentamento.
Era um homem andrajoso, com um casaco jogado nos ombros, sujo, engordurado e rasgado.
Suas calças eram trapos com as costuras abertas até a metade, e seus dedos apareciam através do que foram, um dia, os sapatos.
Sua camisa estava suja e seu cabelo não havia sido penteado por muito tempo.
Seu nariz tinha tantas veias que parecia um mapa.
Estávamos um pouco longe dele para sentir seu cheiro, mas asseguro que cheirava mal.
Suas mãos começaram a se mexer para saudar.
'Olá, neném. Como está você?', disse o homem a Daniel.
Minha esposa e eu nos olhamos:
'Que faremos?'.
Daniel continuou rindo e respondeu, 'Olá, olá,amigo'.
Todos no restaurante nos olharam e logo se viraram para o mendigo.
O velho sujo estava incomodando nosso lindo filho.
Trouxeram a comida e o homem começou a falar com o nosso filho como um bebê.
Ninguém acreditava que o que o homem estava fazendo era simpático.
Obviamente, ele estava bêbado.
Minha esposa e eu estávamos envergonhados.
Comemos em silêncio; menos Daniel que estava super inquieto e mostrando todo o seu repertório ao desconhecido, a quem conquistava com suas criancices.
Finalmente, terminamos de comer e nos dirigimos à porta.
Minha esposa foi pagar a conta e eu lhe disse que nos encontraríamos  no Estacionamento.
O velho se encontrava muito perto da porta de saída.
'Deus meu, ajuda-me a sair daqui antes que este louco fale com Daniel', disse orando, enquanto caminhava perto do homem.
Estufei um pouco o peito, tratando de sair sem respirar nem um pouco do ar que ele pudesse estar exalando.
Enquanto eu fazia isto, Daniel se voltou rapidamente na direção onde estava o velho e estendeu seus braços na posição de 'carrega-me'.
Antes que eu pudesse impedir, Daniel se jogou dos meus braços para os braços do homem.
Rapidamente, o velho fedorento e o menino consumaram sua relação de amor.
Daniel, num ato de total confiança, amor e submissão, recostou sua cabeça no ombro do desconhecido.
O homem fechou os olhos e pude ver lágrimas correndo por sua face.
Suas velhas e maltratadas mãos, cheias de cicatrizes, dor e trabalho duro,suave, muito suavemente, acariciavam as costas de Daniel.
Nunca dois seres haviam se amado tão profundamente em tão pouco tempo.
Eu me detive, aterrado. O velho homem, com Daniel em seus braços, por um momento abriu seus olhos e olhando diretamente nos meus, me disse com voz forte e segura:
'Cuide deste menino'.
De alguma maneira, com um imenso nó na garganta, eu respondi: 'Assim o farei'.
Ele afastou Daniel de seu peito, lentamente, como se sentisse uma dor.
Peguei meu filho e o velho homem me disse:
'Deus o abençoe, senhor. Você me deu um presente maravilhoso'.
Não pude dizer mais que um entrecortado 'obrigado'.
Com Daniel nos meus braços, caminhei rapidamente até o carro.
Minha esposa perguntava por que eu estava chorando e segurando Daniel tão fortemente, e por que estava dizendo:
'Deus meu, Deus meu, me perdoe'.
Eu acabava de presenciar o amor de Cristo através da inocência de um pequeno menino que não viu pecado, que não fez nenhum juízo; um menino que viu uma alma e uns adultos que viram um montão de roupa suja.
Eu fui um cristão cego  carregando  um menino que não o era.
Eu senti que Deus estava me perguntando:
'Estás disposto a dividir seu filho por um momento?', quando Ele Compartilhou Seu Filho por toda a eternidade.
O velho andrajoso, inconscientemente, me recordou:
Eu asseguro que aquele que não aceite o reino de Deus como um Menino, não entrará nele.' (Lucas 18:17).

Apenas repita esta frase e verá como Deus se move:
'Senhor Jesus Cristo, te amo e te necessito, entre em meu coração, por favor'.

Estou compartilahndo com voces

Não porque você receberá um milagre amanhã.
Mas porque você recebe o milagre todos os dias...

O milagre de estar vivo...  

 

 



- Postado por: Isabel às 14h51
[ ] [ envie esta mensagem ]




 


 Sou uma mulher realizada vivo cada fase de minha vida a minha maneira,
amo a poesia, a musica e o Amor em todas as formas, sou sempre sincera,
mesmo que isso me custe perder quem amo.O mais dificil nessa vida é  conseguir
ser quem somos e "sermos aceito" assim, porisso há que se ter coragem, mas o
impossível não existe e Nunca é tempo demais.Destesto  julgamentos porque
jamais seremos justos, num veredicto, e nem cabe a nós inocentarmos ou condenarmos
alguém.
Amo a Vida em toda a sua plenitude, tenho um amor intenso e   vivo cada
pedaço dele, porque ele me faz sentir Livre. É preciso ter coragem pra
enfrentar esse "maluco" mundo em que vivemos, mas vamos brincar porque
a vida é uma brincadeira e não possuimos as pessoas , apenas às amamos.
Sejamos Felizes e que nos permitam sermos felizes, porque a vida é só
um "estalar de dedos". E nesta minha Vida, neste meu momento, estou me
atrevendo à rabiscar o que muitos chamam de Poesia.

Isabel**

:: AWARD ::


:: LEMBRANÇA DO BLOG ::


 

DESEJO


Nasce em meu peito um forte desejo,
De seguir-te pelas ruas, pela vida,
Como a quem ao som de dolorosas ladainhas,
Segue ao cortejo.
Cubro-te de flores,
Das mais variadas espécies e fragrantes odores,
Para endeusá-la em “imácula” beleza,
Que em cujos meus versos de humilde destreza,
Jorro-te em fontes de palavras, meus amores.
Desejo-te como o atleta deseja o grito da vitória,
A satisfação do dever cumprido,
Todos os sentimentos explodidos do peito
Onde momentos antes em cárcere tórpio reprimidos.
E a boca semi-abriu, na antecipação do beijo,
E o corpo reagiu em relâmpagos de sensações,
Onde misturam-se todas as emoções,
O sangue acelera em cavernosas esponjas de carne em um lampejo,
Tento disfarçar, mas não consigo,
Trago o teu gosto em lembrança, sempre comigo,
E explodimos juntos, ao sabor do desejo...


ARAMIS 30/10/07

 

VOEI

Voei sem asas
Numa noite escura.
A chuva caía
Na planura
De um sitio sem casas
E eu voava.
O vento rugia
Fazendo secura
Nas terras rasas
E eu voava.
A neve caia
Branca e pura
De salpicos fugazes
E eu voava
E voei, voei, voei…
Então
Sorte danada
Em teu dorso eu pousei
E acordei.
Senti o calor
Do teu corpo em repouso
Senti o volume
Do teu peito
Com arfar cadenciado.
Perfeito.
Senti a curvatura
Das tuas coxas
Sobrepostas
A preceito
Escondendo, porventura
Algum tesouro
Que querias guardar.
Senti o odor
Forte e doce
Da tua flor.
Não resisti.
Envolvi-te em meus braços
Acordei-te lentamente
Sorriste
E entregaste-te
E eu voei, voei, voei….

Jocunha.2008/01/16

"....Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o passado e de preocupar com o futuro. Agora, me mantenho no presente, que é onde a vida acontece.
Hoje vivo um dia de cada vez. Isso é... Plenitude.
Quando me amei de verdade, percebi que minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande e valiosa aliada.
Tudo isso é... Saber viver!!!"

Charles Chaplin

 


Soneto 74

Amor é um fogo que arde sem se ver,
é ferida que dói, e não se sente;
é um contentamento descontente,
é dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;
é um andar solitário entre a gente;
é nunca contentar-se de contente;
é um cuidar que ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade;
é servir a quem vence, o vencedor;
é ter com quem nos mata, lealdade.

Mas como causar pode seu favor
nos corações humanos amizade,
se tão contrário a si é o mesmo Amor?

Luís Vaz de Camões

 

 

FELICIDADE
 
Tenho te procurado por toda minha vida.
E em cada fase minha, te via de um jeito.
Quando criança, podias estar em um brinquedo, um sorvete.
Ou em um bolo com confeito.
E eras tão simples pra mim...
Mas o tempo foi passando,
Os valores e os sonhos aumentando,
Já não me bastavas em simplicidades.
Queria-te como um carro, uma moto,
Ou como uma viagem com mochila nas costas,
E mais uma vez o tempo passou,
E hoje, as responsabilidades me fazem te ver ausente,
Não me apareces mais em presentes, tudo ou quase tudo já tem.
Talvez a tenha abandonado por ter-me iludido às posses com tanto
empenho.
E te menosprezei tentando te comprar.
Achava que assim seria mais fácil tê-la.
E esqueci-me de quando cavalgava ao teu lado,
Montado em um cavalo alado,
Sem ter pressa...ou onde se chegar...

Aramis

 

   Olhos da saudade

Olhar perdido no espaço
A dor da saudade é cruel
Lágrima tem gosto de sal liquido
Dilacera e queima como fel
Falta do teu abraço
Uma tremenda vontade
De sentir o entrelaço
Para o tormento amenizar
E junto essa saudade matar

Lembrança do teu carinho
A mágica união das palavras
Vem surgindo de vagarinho
Suavidade daqueles momentos
Sussurrando a me dizer
Não precisa sentir medo
Estarei sempre aqui com você.

Das noites a navegar
Dos passeios junto ao mar
Das juras de amor eterno
Dos sonhos virar real.
Inerte perdida nesse vazio
Na alma um escuro frio
Meu corpo que reclama
Minha voz que te chama
Vem correndo me amar.

       05/01/008
                 Mendi

 

   Soneto da Mulher ao Sol


 
Uma mulher ao sol - eis todo o meu desejo
Vinda do sal do mar, nua, os braços em cruz
A flor dos lábios entreaberta para o beijo
A pele a fulgurar todo o pólen da luz.

Uma linda mulher com os seios em repouso
Nua e quente de sol - eis tudo o que eu preciso
O ventre terso, o pelo úmido, e um sorriso
`A flor dos lábios entreabertos para o gozo.

Uma mulher ao sol sobre quem me debruce
Em quem beba e a quem morda, com quem me lamente
E que ao se submeter se enfureça e soluce

E tente me expelir, e ao me sentir ausente
Me busque novamente - e se deixes a dormir
Quando, pacificado, eu tiver de partir...

 
Vinicius de Moraes

 

Beijo Eterno

 

Quero um beijo sem fim,

Que dure a vida inteira

e aplaque o meu desejo!

Ferve-me o sangue.

Acalma-o com teu beijo,

Beija-me assim!

O ouvido fecha ao rumor

Do mundo, e beija-me, querida!

Vive só para mim, só para a minha vida,

Só para o meu amor!

Fora, repouse em paz

Dormindo em calmo sono a calma natureza,

Ou se debata, das tormentas presa,

Beija inda mais!

E, enquanto o brando calor

Sinto em meu peito de teu seio,

Nossas bocas febris se unam com o mesmo anseio,

Com o mesmo ardente amor!...

Diz tua boca: "Vem!"

Inda mais! diz a minha, a soluçar... Exclama

Todo o meu corpo que o teu corpo chama:

"Morde também!"

Ai! morde! que doce é a dor

Que me entra as carnes,
e as tortura!

Beija mais! morde mais!

que eu morra de ventura,

Morto por teu amor!

Castro Alves

 

POEMA 20
(Pablo Neruda)


Posso escrever os versos mais tristes esta noite.

Escrever, por exemplo: “A noite está estrelada,
e tiritam, azuis, os astros, ao longe”.

O vento da noite gira no céu e canta.

Posso escrever os versos mais tristes esta noite.
Eu a quis, e às vezes ela também me quis.

Em noites como esta eu a tive entre os meus braços.
A beijei tantas vezes debaixo o céu infinito.

Ela me quis, às vezes eu também a queria.
Como não ter amado os seus grandes olhos fixos.

Posso escrever os versos mais tristes esta noite.
Pensar que não a tenho. Sentir que a perdi.

Ouvir a noite imensa, mais imensa sem ela.
E o verso cai na alma como na relva o orvalho.

Que importa que meu amor não pudesse guardá-la.
A noite está estrelada e ela não está comigo.

Isso é tudo. Ao longe alguém canta. Ao longe.
Minha alma não se contenta com tê-la perdido.

Como para aproximá-la meu olhar a procura.
Meu coração a procura, e ela não está comigo.

A mesma noite que faz branquear as mesmas árvores.
Nós, os de então, já não somos os mesmos.

Já não a quero, é verdade, mas quanto a quis.
Minha voz procurava o vento para tocar o seu ouvido.

De outro. Será de outro. Como antes dos meus beijos.
Sua voz, seu corpo claro. Seus olhos infinitos.

Já não a quero, é verdade, mas talvez a quero.
É tão curto o amor, e é tão longo o esquecimento.

Porque em noites como esta eu a tive entre os meus braços,
minha alma não se contenta com tê-la perdido.

Ainda que esta seja a última dor que ela me causa,
e estes, os últimos versos que lhe escrevo.

   

 


Dado

Livro

Histórico:

01/02/2012 a 29/02/2012
- 01/01/2012 a 31/01/2012
- 01/12/2011 a 31/12/2011
- 01/11/2011 a 30/11/2011
- 01/10/2011 a 31/10/2011
- 01/09/2011 a 30/09/2011
- 01/08/2011 a 31/08/2011
- 01/07/2011 a 31/07/2011
- 01/06/2011 a 30/06/2011
- 01/05/2011 a 31/05/2011
- 01/04/2011 a 30/04/2011
- 01/03/2011 a 31/03/2011
- 01/02/2011 a 28/02/2011
- 01/01/2011 a 31/01/2011
- 01/12/2010 a 31/12/2010

Outros sites:

- UOL - O melhor conteúdo
- BOL - E-mail grátis

Votação:

- Dê uma nota para meu blog
Indique esse Blog


Contador:



eXTReMe Tracker

 

Layout criado por:

 

 

 

Saber Viver


Não sei... Se a vida é curta
Ou longa demais pra nós,
Mas sei que nada do que vivemos
Tem sentido, se não tocamos o coração das pessoas.

Muitas vezes basta ser:
Colo que acolhe,
Braço que envolve,
Palavra que conforta,
Silêncio que respeita,
Alegria que contagia,
Lágrima que corre,
Olhar que acaricia,
Desejo que sacia,
Amor que promove.

E isso não é coisa de outro mundo,
É o que dá sentido à vida.
É o que faz com que ela
Não seja nem curta,
Nem longa demais,
Mas que seja intensa,
Verdadeira, pura... Enquanto durar

Cora Coralina