Acabou ....

Que de tão suave .. me fez chorar..
Que de tão romantico me fez enlouquecer..
Que de tão alegre, minha tristeza sorriu ..
Que de tão leve fez-me voar ...
Que dê tanto amar.. eu então assim, abusei
Que de tanto ser amado ultrapassou- me
Que de tanto amor ... Acabou..

Isabel*
03/11/2010



- Postado por: Isabel às 22h51
[ ] [ envie esta mensagem ]





 

Ja disse a voces que sempre que posso compartilho meus e-mails e esses dias
atrás recebi um texto incrivel, veio de um amigo que amo de paixão, então, claro
que vou posta-lo aqui, tendo a certeza de que  meus amigos vão gostar muito.


Sexalescentes

Se estivermos atentos, podemos notar que está a aparecer uma nova classe social: a das pessoas que andam à volta dos sessenta anos de idade, os sexalescentes : é a geração que rejeita a palavra "sexagenário", porque simplesmente não está nos seus planos deixar-se envelhecer.

Trata-se de uma verdadeira novidade demográfica - parecida com a que, em meados do século XX, se deu com a consciência da idade da adolescência, que deu identidade a uma massa de jovens oprimidos em corpos desenvolvidos, que até então não sabiam onde meter-se nem como vestir-se.

Este novo grupo humano que hoje ronda os sessenta teve uma vida razoavelmente satisfatória.

São homens e mulheres independentes que trabalham há muitos anos e que conseguiram mudar o significado tétrico que tantos autores deram durante décadas ao conceito de trabalho. Que procuraram e encontraram há muito a atividade de que mais gostavam e que com ela ganharam a vida.

Talvez seja por isso que se sentem realizados... Alguns nem sonham em aposentar-se. E os que já o fizeram gozam plenamente cada dia sem medo do ócio ou da solidão, crescem por dentro quer num, quer na outra. Desfrutam a situação, porque depois de anos de trabalho, criação dos filhos, preocupações, fracassos e sucessos, sabe bem olhar para o mar sem pensar em mais nada, ou seguir o voo de um pássaro da janela de um 5.º andar...

Neste universo de pessoas saudáveis, curiosas e ativas, a mulher tem um papel destacado. Traz décadas de experiência de fazer a sua vontade, quando as suas mães só podiam obedecer, e de ocupar lugares na sociedade que as suas mães nem tinham sonhado ocupar.

Esta mulher sexalescente sobreviveu à bebedeira de poder que lhe deu o feminismo dos anos 60. Naqueles momentos da sua juventude em que eram tantas as mudanças, parou e refletiu sobre o que na realidade queria.
Algumas optaram por viver sozinhas, outras fizeram carreiras que sempre tinham sido exclusivamente para homens, outras escolheram ter filhos, outras não, foram jornalistas, atletas, juízas, médicas, diplomatas... Mas cada uma fez o que quis : reconheçamos que não foi fácil, e no entanto continuam a fazê-lo todos os dias.

Algumas coisas foram adquiridas.
Por exemplo, não são pessoas que estejam paradas no tempo: a geração dos "sessenta", homens e mulheres, lida com o computador como se o tivesse feito toda a vida. Escrevem aos filhos que estão longe (e veem-se), e até se esquecem do velho telefone para contatar os amigos - mandam e-mails com as suas notícias, ideias e vivências.

De uma maneira geral estão satisfeitos com o seu estado civil e quando não estão, não se conformam e procuram mudá-lo. Raramente se desfazem em prantos sentimentais.

Ao contrário dos jovens, os sexalescentes conhecem e pesam todos os riscos.
Ninguém se põe a chorar quando perde: apenas reflete, toma nota, e parte para outra...

Os maiores partilham a devoção pela juventude e as suas formas superlativas, quase insolentes de beleza ; mas não se sentem em retirada. Competem de outra forma, cultivam o seu próprio estilo... Os homens não invejam a aparência das jovens estrelas do esporte, ou dos que ostentam um Armani, nem as mulheres sonham em ter as formas perfeitas de um modelo. Em vez disso, conhecem a importância de um olhar cúmplice, de uma frase inteligente ou de um sorriso iluminado pela experiência.

Hoje, as pessoas na década dos sessenta, como tem sido seu costume ao longo da sua vida, estão a estrear uma idade que não tem nome. Antes seriam velhos e agora já não o são. Hoje estão de boa saúde, física e mental, recordam a juventude, mas sem nostalgias tolas, porque a juventude ela própria também está cheia de nostalgias e de problemas.
Celebram o Sol em cada manhã e sorriem para si próprios...

Talvez por alguma secreta razão, que só sabem e saberão os que chegam aos 60 no século XXI ...

 

(Tita Teixeira)



- Postado por: Isabel às 21h50
[ ] [ envie esta mensagem ]





Há tempos que não tenho o prazer de receber esse amigo
aqui, ele andou um  pouco afastado de mim, eu estava
com muita saudade dele, e ainda mais de ler seus escritos,agora
ele me vem com essa poesia e o melhor, me permitiu posta-la aqui
pra que voces a leiam. Obrigada meu querido "Joca"

Deixo voces na companhia de José Cunha, um amigo que vem de além-mar
para enfeitar meu canto.

Isabel**
03/11/2011

 

 

LENDA DA VELHA NOGUEIRA

Consta que em certa freguesia
Crescia uma nogueira
Plantada mesmo à beira
Do caminho que levava à igreja.
Não sei se por inveja,
Se por mera fantasia,
O povo dizia à boca cheia
Que a velha nogueira morreria
Quando por baixo passasse
Noiva virgem,
A caminho do enlace.
Passaram anos a eito.
Passaram noivas em cortejo.
E a nogueira, já velhinha, resistia.
Passou a irmã do senhor prior,
Passou a filha do presidente
E a prima do regedor.
E a nogueira resistia.
Passou a sobrinha do professor,
Passou tanta, tanta noiva,
Com ou sem valor.
E a nogueira resistia.
Por isso se tornou lenda,
Impossível de contestar
E o povo começou a pensar
Que apesar de haver noivas que fingem
Nenhuma deixa de ser virgem
Ao passar pela nogueira.
Deu-se então o imprevisto
Num quente domingo de verão.
Foi por essa ocasião
Que, de manhã bem cedo
Casou em grande segredo
Uma noiva diferente.
Sexagenária, ou mais p’ra  frente,
Quatro vezes casada,
Outras tantas enviuvada
E agora desposava
Homem rico e novo
Um major!
O pequeno cortejo seguiu
A caminho do altar mor
E, diz-se: houve quem sentiu
A velha nogueira chorar.
Mediou apenas o tempo
De a noiva chegar ao altar.
Antes mesmo de dizer sim
A nogueira em sofrimento
Viu chegar o seu fim.
As folhas verdes escureceram.
E quando os convidados desceram
As escadas da igreja
Já as mesmas caiam
Na calçada empoeirada.
E se dúvidas houvesse ou surgissem
Esta noiva, já casada,
Manteve-se na vida virgem,
Apesar de desposada.
Assim a lenda se cumpriu.
A velha nogueira ali plantada
Tantos anos resistiu
E morreu, em nome da verdade.
Afinal as aparências
São, por vezes ilusões
E neste mundo em convulsões
Com tantas histórias lidas
Há viúvas mais autenticas
Do que virgens assumidas.


Jcunha-2011/5/6



- Postado por: Isabel às 15h31
[ ] [ envie esta mensagem ]




 


 Sou uma mulher realizada vivo cada fase de minha vida a minha maneira,
amo a poesia, a musica e o Amor em todas as formas, sou sempre sincera,
mesmo que isso me custe perder quem amo.O mais dificil nessa vida é  conseguir
ser quem somos e "sermos aceito" assim, porisso há que se ter coragem, mas o
impossível não existe e Nunca é tempo demais.Destesto  julgamentos porque
jamais seremos justos, num veredicto, e nem cabe a nós inocentarmos ou condenarmos
alguém.
Amo a Vida em toda a sua plenitude, tenho um amor intenso e   vivo cada
pedaço dele, porque ele me faz sentir Livre. É preciso ter coragem pra
enfrentar esse "maluco" mundo em que vivemos, mas vamos brincar porque
a vida é uma brincadeira e não possuimos as pessoas , apenas às amamos.
Sejamos Felizes e que nos permitam sermos felizes, porque a vida é só
um "estalar de dedos". E nesta minha Vida, neste meu momento, estou me
atrevendo à rabiscar o que muitos chamam de Poesia.

Isabel**

:: AWARD ::


:: LEMBRANÇA DO BLOG ::


 

DESEJO


Nasce em meu peito um forte desejo,
De seguir-te pelas ruas, pela vida,
Como a quem ao som de dolorosas ladainhas,
Segue ao cortejo.
Cubro-te de flores,
Das mais variadas espécies e fragrantes odores,
Para endeusá-la em “imácula” beleza,
Que em cujos meus versos de humilde destreza,
Jorro-te em fontes de palavras, meus amores.
Desejo-te como o atleta deseja o grito da vitória,
A satisfação do dever cumprido,
Todos os sentimentos explodidos do peito
Onde momentos antes em cárcere tórpio reprimidos.
E a boca semi-abriu, na antecipação do beijo,
E o corpo reagiu em relâmpagos de sensações,
Onde misturam-se todas as emoções,
O sangue acelera em cavernosas esponjas de carne em um lampejo,
Tento disfarçar, mas não consigo,
Trago o teu gosto em lembrança, sempre comigo,
E explodimos juntos, ao sabor do desejo...


ARAMIS 30/10/07

 

VOEI

Voei sem asas
Numa noite escura.
A chuva caía
Na planura
De um sitio sem casas
E eu voava.
O vento rugia
Fazendo secura
Nas terras rasas
E eu voava.
A neve caia
Branca e pura
De salpicos fugazes
E eu voava
E voei, voei, voei…
Então
Sorte danada
Em teu dorso eu pousei
E acordei.
Senti o calor
Do teu corpo em repouso
Senti o volume
Do teu peito
Com arfar cadenciado.
Perfeito.
Senti a curvatura
Das tuas coxas
Sobrepostas
A preceito
Escondendo, porventura
Algum tesouro
Que querias guardar.
Senti o odor
Forte e doce
Da tua flor.
Não resisti.
Envolvi-te em meus braços
Acordei-te lentamente
Sorriste
E entregaste-te
E eu voei, voei, voei….

Jocunha.2008/01/16

"....Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o passado e de preocupar com o futuro. Agora, me mantenho no presente, que é onde a vida acontece.
Hoje vivo um dia de cada vez. Isso é... Plenitude.
Quando me amei de verdade, percebi que minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande e valiosa aliada.
Tudo isso é... Saber viver!!!"

Charles Chaplin

 


Soneto 74

Amor é um fogo que arde sem se ver,
é ferida que dói, e não se sente;
é um contentamento descontente,
é dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;
é um andar solitário entre a gente;
é nunca contentar-se de contente;
é um cuidar que ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade;
é servir a quem vence, o vencedor;
é ter com quem nos mata, lealdade.

Mas como causar pode seu favor
nos corações humanos amizade,
se tão contrário a si é o mesmo Amor?

Luís Vaz de Camões

 

 

FELICIDADE
 
Tenho te procurado por toda minha vida.
E em cada fase minha, te via de um jeito.
Quando criança, podias estar em um brinquedo, um sorvete.
Ou em um bolo com confeito.
E eras tão simples pra mim...
Mas o tempo foi passando,
Os valores e os sonhos aumentando,
Já não me bastavas em simplicidades.
Queria-te como um carro, uma moto,
Ou como uma viagem com mochila nas costas,
E mais uma vez o tempo passou,
E hoje, as responsabilidades me fazem te ver ausente,
Não me apareces mais em presentes, tudo ou quase tudo já tem.
Talvez a tenha abandonado por ter-me iludido às posses com tanto
empenho.
E te menosprezei tentando te comprar.
Achava que assim seria mais fácil tê-la.
E esqueci-me de quando cavalgava ao teu lado,
Montado em um cavalo alado,
Sem ter pressa...ou onde se chegar...

Aramis

 

   Olhos da saudade

Olhar perdido no espaço
A dor da saudade é cruel
Lágrima tem gosto de sal liquido
Dilacera e queima como fel
Falta do teu abraço
Uma tremenda vontade
De sentir o entrelaço
Para o tormento amenizar
E junto essa saudade matar

Lembrança do teu carinho
A mágica união das palavras
Vem surgindo de vagarinho
Suavidade daqueles momentos
Sussurrando a me dizer
Não precisa sentir medo
Estarei sempre aqui com você.

Das noites a navegar
Dos passeios junto ao mar
Das juras de amor eterno
Dos sonhos virar real.
Inerte perdida nesse vazio
Na alma um escuro frio
Meu corpo que reclama
Minha voz que te chama
Vem correndo me amar.

       05/01/008
                 Mendi

 

   Soneto da Mulher ao Sol


 
Uma mulher ao sol - eis todo o meu desejo
Vinda do sal do mar, nua, os braços em cruz
A flor dos lábios entreaberta para o beijo
A pele a fulgurar todo o pólen da luz.

Uma linda mulher com os seios em repouso
Nua e quente de sol - eis tudo o que eu preciso
O ventre terso, o pelo úmido, e um sorriso
`A flor dos lábios entreabertos para o gozo.

Uma mulher ao sol sobre quem me debruce
Em quem beba e a quem morda, com quem me lamente
E que ao se submeter se enfureça e soluce

E tente me expelir, e ao me sentir ausente
Me busque novamente - e se deixes a dormir
Quando, pacificado, eu tiver de partir...

 
Vinicius de Moraes

 

Beijo Eterno

 

Quero um beijo sem fim,

Que dure a vida inteira

e aplaque o meu desejo!

Ferve-me o sangue.

Acalma-o com teu beijo,

Beija-me assim!

O ouvido fecha ao rumor

Do mundo, e beija-me, querida!

Vive só para mim, só para a minha vida,

Só para o meu amor!

Fora, repouse em paz

Dormindo em calmo sono a calma natureza,

Ou se debata, das tormentas presa,

Beija inda mais!

E, enquanto o brando calor

Sinto em meu peito de teu seio,

Nossas bocas febris se unam com o mesmo anseio,

Com o mesmo ardente amor!...

Diz tua boca: "Vem!"

Inda mais! diz a minha, a soluçar... Exclama

Todo o meu corpo que o teu corpo chama:

"Morde também!"

Ai! morde! que doce é a dor

Que me entra as carnes,
e as tortura!

Beija mais! morde mais!

que eu morra de ventura,

Morto por teu amor!

Castro Alves

 

POEMA 20
(Pablo Neruda)


Posso escrever os versos mais tristes esta noite.

Escrever, por exemplo: “A noite está estrelada,
e tiritam, azuis, os astros, ao longe”.

O vento da noite gira no céu e canta.

Posso escrever os versos mais tristes esta noite.
Eu a quis, e às vezes ela também me quis.

Em noites como esta eu a tive entre os meus braços.
A beijei tantas vezes debaixo o céu infinito.

Ela me quis, às vezes eu também a queria.
Como não ter amado os seus grandes olhos fixos.

Posso escrever os versos mais tristes esta noite.
Pensar que não a tenho. Sentir que a perdi.

Ouvir a noite imensa, mais imensa sem ela.
E o verso cai na alma como na relva o orvalho.

Que importa que meu amor não pudesse guardá-la.
A noite está estrelada e ela não está comigo.

Isso é tudo. Ao longe alguém canta. Ao longe.
Minha alma não se contenta com tê-la perdido.

Como para aproximá-la meu olhar a procura.
Meu coração a procura, e ela não está comigo.

A mesma noite que faz branquear as mesmas árvores.
Nós, os de então, já não somos os mesmos.

Já não a quero, é verdade, mas quanto a quis.
Minha voz procurava o vento para tocar o seu ouvido.

De outro. Será de outro. Como antes dos meus beijos.
Sua voz, seu corpo claro. Seus olhos infinitos.

Já não a quero, é verdade, mas talvez a quero.
É tão curto o amor, e é tão longo o esquecimento.

Porque em noites como esta eu a tive entre os meus braços,
minha alma não se contenta com tê-la perdido.

Ainda que esta seja a última dor que ela me causa,
e estes, os últimos versos que lhe escrevo.

   

 


Dado

Livro

Histórico:

01/02/2012 a 29/02/2012
- 01/01/2012 a 31/01/2012
- 01/12/2011 a 31/12/2011
- 01/11/2011 a 30/11/2011
- 01/10/2011 a 31/10/2011
- 01/09/2011 a 30/09/2011
- 01/08/2011 a 31/08/2011
- 01/07/2011 a 31/07/2011
- 01/06/2011 a 30/06/2011
- 01/05/2011 a 31/05/2011
- 01/04/2011 a 30/04/2011
- 01/03/2011 a 31/03/2011
- 01/02/2011 a 28/02/2011
- 01/01/2011 a 31/01/2011
- 01/12/2010 a 31/12/2010

Outros sites:

- UOL - O melhor conteúdo
- BOL - E-mail grátis

Votação:

- Dê uma nota para meu blog
Indique esse Blog


Contador:



eXTReMe Tracker

 

Layout criado por:

 

 

 

Saber Viver


Não sei... Se a vida é curta
Ou longa demais pra nós,
Mas sei que nada do que vivemos
Tem sentido, se não tocamos o coração das pessoas.

Muitas vezes basta ser:
Colo que acolhe,
Braço que envolve,
Palavra que conforta,
Silêncio que respeita,
Alegria que contagia,
Lágrima que corre,
Olhar que acaricia,
Desejo que sacia,
Amor que promove.

E isso não é coisa de outro mundo,
É o que dá sentido à vida.
É o que faz com que ela
Não seja nem curta,
Nem longa demais,
Mas que seja intensa,
Verdadeira, pura... Enquanto durar

Cora Coralina